Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007

Setúbal e os seus problemas

Ao longo da nossa pesquisa fomos encontrando inúmeros aspectos que nos mereceram a atenção e que são alvos de futura reflexão no âmbito deste projecto. Decidimos enumerar então os aspectos que nos parecem mais importantes.

  • Espaços verdes, zonas de descanso e lazer: actualmente raras o que vem prejudicar grandemente a imagem da cidade.
  • Acessibilidades: Setúbal não tem percursos bem estruturados e que respondam eficientemente às necessidades.
  •  Degradação: o que mais afecta a zona de estudo, inúmeras antigas fábricas, que hoje em dia não têm utilidade, estão ao abandono e degradadas.
  • Poluição: o ‘monstro’ em todo o país não é excepção na nossa cidade especialmente na limpeza, manutenção e protecção do rio.
  •  Centros de turismo/ Centros jovem: o turismo, que poderia ser muito mais bem aproveitado na verdade não o é, o que vem prejudicar tanto os populares como os turistas que não encontram informação quando chegam à cidade.
  • Edificação: pouco ajustada e fora dos limites recomendáveis, pois temos ‘torres’ ao pé de edifícios de três andares, que denigre a imagem geral da cidade não se apresentando uniforme e escondendo as zonas históricas mais importantes. Falta uma linha estética, que deveria conduzir as edificações num único sentido, de forma harmoniosa.
  • Zonas de cultura: não é corrente ter em Setúbal zonas específicas culturais e sómente dedicadas ao lazer e diversão da população. Não há promoção cultural.
  • Zonas comerciais: as que se encontram actualmente a funcionar não são actuais e não despertam a atenção dos jovens que, assim não vêem na cidade um ponto de foco e interesse.
  • Falta de coordenação: tanto ao nível urbanístico, como ao nível de acessibilidades.
  •  Degradação das rodovias: estradas degradadas, mal sinalizadas e com pouca visibilidade.
  •  Falta de conceito Terra-Água: em que não se tem aproveitado as potenciais da cidade que não vê o máximo das suas capacidades usadas, principalmente no aspecto de ligar o rio à cidade.
  •  Construção segundo necessidades: ao longo dos anos tem sido criadas inúmeras obras e divisões sómente por motivos económicos, que nunca respeitaram as necessidades da população e turistas.
Publicado por ferlede às 17:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Mais sobre nós

.Pesquisar neste blog

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Posts Inovars

. Exposição Itinerante “Cid...

. Trabalhar é gratificante

. Resumindo um ano de traba...

. Cartaz

. Requalificação da Zona Ri...

. Apresentação de ideias e ...

. O momento é de trabalho e...

. Notícias que nos agradam ...

. Inovars - The Return

. Notas do 2º Período

.Arquivos

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.Links

.Visitas

.Clock

blogs SAPO

.subscrever feeds